Logotipo da Coinbase
Entrar

Preço do bitcoin nesta semana: 22 a 28 de nov.

Preço do bitcoin nesta semana: 15 a 21 de nov.

Após seis semanas seguidas de crescimento, o bitcoin quase chegou à maior alta de todos os tempos, mas acabou ficando abaixo de US$ 17.000 no fim de semana do feriado de Ação de Graças nos EUA. Será que a criptomoeda ainda consegue bater recordes? Receba as informações necessárias para fazer negociações mais embasadas com nosso boletim semanal criado pelos pesquisadores da Coinbase.

Publicação: 28 de novembro de 2020

Visão geral

Há quase sete semanas seguidas, o bitcoin vive uma sequência de altas recordes. Na primeira metade da semana passada, o bitcoin chegou aos US$ 19 mil pela primeira vez desde a lendária alta do final de 2017 e parecia disposto a bater todos os recordes de preço. Mas, com o feriado de Ação de Graças se aproximando nos EUA, a criptomoeda viu uma queda de 11% e chegou aos US$ 17.100. Os preços voltaram a subir ontem, mas a queda deixou vários investidores com duas perguntas: qual foi a causa? E será que foi apenas um problema temporário? 

Preço do bitcoin em dólares norte-americanos de 21 a 28 de novembro

Pontos principais

Existem motivos para otimismo. No sábado, quando este relatório foi publicado, a capitalização de mercado de todos os ativos digitais havia subido para US$ 525 bilhões, apenas 1% a menos do que na semana anterior. E, durante estes primeiros meses de 2020, a narrativa dominante sobre o bitcoin tem sido o interesse institucional inédito, com mais dinheiro do que nunca vindo de Wall Street, do setor de tecnologia e de outras fontes.Gigantes dos fundos de hedge, como Paul Tudor Jones e Stanley Druckenmiller, acrescentaram bitcoin a seus portfólios, e empresas de capital aberto, como a Square e a MicroStrategy, vêm usando a criptomoeda como ativo de reserva em seus balanços patrimoniais.

Consequentemente, sendo este um fim de semana de feriado, não ficamos surpresos ao ver menos liquidez (dinheiro entrando e saindo das criptomoedas) por parte de corporações norte-americanas. E estamos curiosos para ver o que vai acontecer na segunda-feira, quando todos voltarem ao trabalho. Será que as pessoas verão a queda como oportunidade para comprar?

Seja qual for o caso, os grandes investidores que estão ajudando a aumentar os preços do bitcoin não dão sinal de perder o fôlego. Muito pelo contrário, cada semana traz mais relatos de grandes acordos e investimentos envolvendo criptomoedas. Aqui na Coinbase, nós tivemos um volume forte e contínuo vindo de clientes institucionais até o feriado norte-americano de Ação de Graças, com quatro dias consecutivos (de 23 a 26 de novembro) de volume acima dos US$ 2,4 bilhões diários. Esses quatro dias entraram para nossa lista de Dez Maiores volumes de todos os tempos. 

  • O dia de Ação de Graças foi surpreendentemente agitado para o nosso setor de mercado de balcão (OTC, na sigla em inglês), que trabalha com grandes transações e clientes institucionais. Nós vimos muitas pessoas aproveitando a queda de preço do feriado para aumentar suas posições, e também firmas criptonativas saindo de pequenas moedas alternativas e entrando no bitcoin e ethereum. 

  • Enquanto isso, a gigante nova-iorquina de serviços de investimento Guggenheim Partners revelouseus planos de investir até US$ 530 milhões no Grayscale bitcoin Trust, fundo de grande porte que investe exclusivamente em bitcoin e administra ativos que valem mais de US$ 10 bilhões, em dados de 25 de novembro (veja o gráfico abaixo, no qual "AUM" significa "ativos administrados"). 

O Grayscale Bitcoin Trust (AUM) ($) atinge alta de US$ 10 bilhões em novembro de 2020
  • Além da redução previsível no investimento institucional durante o feriado, outro fator que pode ter contribuído para a queda foi a reabertura da OKEx, corretora chinesa que estava em dificuldades e tinha interrompido os saques há mais de um mês. Na quinta-feira, os saques voltaram a ser permitidos pela primeira vez em cinco semanas, e um fluxo de clientes frustrados fez suas retiradas, aumentando a oferta de bitcoin justamente quando o feriado e a consequente queda de liquidez estavam chegando. Acreditamos que esses dois fatores sejam algumas das causas da queda. 

  • Mas voltando ao assunto principal: por que investidores institucionais se interessaram tanto pelo bitcoin? Um dos motivos tem a ver com a inflação. Como os bancos centrais e governos vêm criando trilhões de novos dólares, ienes e euros de forma inédita, a narrativa do bitcoin como reserva de valor que rivaliza com o ouro está ganhando muita força.

  • Enquanto o bitcoin está batendo recordes de alta, o ouro patina há vários meses em uma baixa de US$ 1.787 por onça, em dados de 27 de novembro. O ouro e o bitcoin costumavam se mover em sincronia. Então algumas perguntas que continuaremos a explorar nas próximas semanas são: por que o ouro não está vivenciando uma alta semelhante? Será que o bitcoin está roubando um pouco do seu brilho?

Nesta semana, a Bloomberg informou que "o bitcoin teve uma altarecordeenquanto bilhões de dólares institucionais fugiam do ouro... O acalorado debate agora é se a maior moeda digital do mundo um dia poderá rivalizar com o ouro como proteção contra a inflação e forma de diversificar o portfólio."

Tendências nas redes sociais

Os bilionários dos fundos de hedge não são os únicos que estão correndo para o bitcoin em vez do ouro (ou usando a criptomoeda para complementar o portfólio). O volume de pesquisas no Google pelas expressões "comprar bitcoin" e "comprar ouro" foi quase idêntico nesta semana em todo o mundo.

Acompanhe o interesse mundial de pesquisa no Google de janeiro a novembro de 2020 (dados do Google Trends)
  • Dito isso, o interesse registrado nas pesquisas feitas na internet continua significativamente mais baixo do que estava durante a grande alta de 2017. Isso pode indicar que o sucesso recente do bitcoin ainda precisa chegar ao grande público. Se os preços continuarem a subir, será interessante ver o que é preciso acontecer para que a criptomoeda se popularize (e que efeito esta popularização terá nos preços).

Quer ler mais sobre isso?

Veja algumas das manchetes sobre criptomoedas recomendadas pelos analistas esta semana: