Logotipo da Coinbase
Entrar

Around the Block n.ᵒ 9: O início das guerras de protocolos nas DeFi

Introdução: uma guerra está para acontecer na blockchain

Around the Block, da Coinbase, aborda as principais questões do mercado de criptomoedas. Nesta edição, Justin Mart fala dos problemas no protocolo DeFi, além de outras notícias importantes do segmento.

Os aplicativos baseados em blockchain são abertos e transparentes por padrão. Isso é benéfico porque qualquer pessoa pode inspecionar o projeto e confirmar que tudo está funcionando como deveria. Mas há um efeito colateral interessante. Como o código-fonte é público, qualquer pessoa pode copiar os projetos existentes (fazer um "fork" neles), mudar umas coisinhas e lançar uma plataforma concorrente.

À medida que o ecossistema das DeFi cresce, alguns projetos estão começando a ter um forte desempenho no mercado, com fluxos reais de receita. Não surpreende que a comunidade esteja enfrentando as implicações das guerras de protocolo , pois qualquer pessoa pode fazer fork em um projeto de sucesso e tentar roubar a fatia de mercado dele. Vamos ver um exemplo.

A primeira guerra de protocolos: SushiSwap versus Uniswap

As guerras de protocolos começaram no fim de agosto, quando um grupo anônimo de desenvolvedores subitamente anunciou o SushiSwap, uma nova bolsa descentralizada (DEX) quase totalmente copiada do Uniswap, mas com uma pequena alteração: o SushiSwap teria o $SUSHI, que agiria como token de governança (seus detentores podem votar em propostas e modificações na plataforma), além de acumular 0,05% (5 bps) de todo o volume de negociações na plataforma.

Acrescentar o token $SUSHI não foi algo inovador, mas o SushiSwap alega que o modelo dele fornece incentivos melhores para os provedores de liquidez (LPs, na sigla em inglês). Se isso for verdade, o SushiSwap poderia ganhar mais liquidez do que o Uniswap, levando à melhor execução de operações para os negociadores e, em última análise, a mais volume para o SushiSwap. Esse mercado é substancial, visto que o Uniswap atualmente gera mais de US$ 1 milhão em taxas por dia (pago principalmente aos provedores de liquidez).

Mas existe outra questão. O SushiSwap também adotou o yield farming como mecanismo de distribuição justa de tokens e ponte bem bolada para a transferência de liquidez do Uniswap para o SushiSwap. Funciona da seguinte forma:

  • Faça uma oferta de liquidez (como ETH ou USDC) em pools selecionados do Uniswap, o que garante a você "Tokens-de-Pool-de-Liquidez-do-Uniswap" que representam a sua parte da liquidez nesses pools.

  • Em seguida, deposite esses Tokens-de-Pool-de-Liquidez-do-Uniswap em um contrato na SushiSwap (fazendo staking deles), e o SushiSwap vai fornecer uma porção pro-rata de tokens $SUSHI à medida que eles forem distribuídos. É assim que o $SUSHI se insere no mercado: oferecido aos usuários que confiam sua liquidez ao SushiSwap.

  • Em um determinado momento no futuro, os contratos inteligentes do SushiSwap converterão todos os Tokens-de-Pool-de-Liquidez-do-Uniswap em Tokens-de-Pool-de-Liquidez-do-SushiSwap, resgatando todos os ativos nos pools de Uniswap que estavam em staking e depositando em pools idênticos do SushiSwap.

O resultado final? A liquidez do Uniswap migrará automaticamente para o SushiSwap, alimentada pelos usuários buscando receber sua porção pro-rata dos tokens $SUSHI! Esse é um jeito eficaz de criar uma nova DEX do zero e prejudicar o concorrente original ao mesmo tempo. Uma guerra de liquidez arrasadora.

E o que aconteceu?

O suficiente para escrever um livro. Em resumo, quase US$ 2 bilhões em Tokens-de-Pool-de-Liquidez-do-Uniswap foram depositados em contratos do SushiSwap, rendendo tokens $SUSHI aos depositantes. O rendimento para essas pessoas que fizeram staking no SushiSwap superou 1000% do rendimento anual em alguns momentos, motivando a alta. Graças a esses depósitos consideráveis, o $SUSHI foi colocado para negociação em DEXs e em algumas bolsas centralizadas, tendo um aumento rápido de valor e chegando aos US$ 300 milhões de capitalização de mercado.

E tudo foi para o espaço na semana seguinte. O preço começou a cair à medida que mais e mais tokens eram distribuídos a quem fazia yield farming, e algumas dessas pessoas só queriam vendê-los o mais rápido possível. A queda levou o desenvolvedor anônimo ("Chef Nomi") a vender substanciais US$ 14 milhões em tokens $SUSHI para garantir financiamento no longo prazo. Contudo, isso foi um choque para a comunidade e uma quebra de confiança (porque Nomi tinha se comprometido a não vender token algum). Ele acabou expulso do projeto. Vale destacar que Nomi fez um pedido de desculpas e devolveu os fundos.

Mas o estrago estava feito. Embora o SushiSwap tenha migrado a liquidez do Uniswap com sucesso e lançado sua bolsa, a disposição e o entusiasmo iniciais não eram mais os mesmos. Entretanto, é preciso dar crédito ao SushiSwap, pois o projeto ganhou vida própria e agora está de olho em possíveis integrações com outras blockchains, como Solana, trilhando seu próprio caminho.

O interessante é que o Uniswap não deixou o ataque barato. É possível argumentar falta de um token nativo subitamente virou uma desvantagem crítica. Então, no dia 17 de setembro ele lançou o $UNI como token de governança e distribuiu cerca de US$ 1.000 em $UNI para cada antigo usuário do Uniswap. Além disso, recompensou as contribuições anteriores e a lealdade contínua dos usuários ao distribuir os $UNI remanescentes por meio do yield farming.

Hoje, o SushiSwap tem um respeitável TVL de US$ 300 milhões, com volume diário de US$ 40 milhões e capitalização de mercado de US$ 100 milhões. Nada mau para um projeto de um mês de vida, ainda que ofuscado pelo Uniswap e seu TVL de US$ 2,2 bilhões, volume diário de US$ 300 milhões e capitalização de mercado de US$ 300 milhões. A primeira batalha foi vencida pelo concorrente original.

Outros ataques

Embora o SushiSwap tenha sido o pioneiro do movimento, outros vieram logo atrás. Veja alguns exemplos dignos de nota:

Todos esses ataques ocorreram nos últimos dois meses, com graus variados de sucesso. O interessante é que nenhum deles conseguiu derrubar o concorrente original. Contudo, todos os projetos conseguiram sobreviver e ter vida própria, com suas comunidades criando novas características a fim de otimizar seus produtos para o próprio mercado.

Implicações: guerras de protocolos e o futuro das DeFi

O fato de nenhum desses ataque ter derrubado completamente o concorrente original é reconfortante. Pense nas implicações se o SushiSwap tivesse dado certo. Seria possível argumentar que ele previu a própria derrocada ao provar que esse modelo de ataque poderia ser bem-sucedido. Seria um estímulo para que outro projeto copiasse a ideia e atacasse o SushiSwap da mesma forma! Mas sua incapacidade de sobrepujar o Uniswap como ele é hoje revela um dado preliminar (porém importante): é preciso ser realmente diferenciado para vencer no mercado aberto. Coincidentemente, o novo direcionamento do SushiSwap aponta para características mais ambiciosas que podem fazer a diferença.

A implicação mais profunda é que o custo da troca nas DeFi pode ser mais alto do que se imaginava. Embora copiar um código seja simples, não se pode copiar uma comunidade, uma marca, a confiança das pessoas ou as integrações e a mentalidade como um todo. Mas, independentemente do motivo, os clientes parecem ser atraídos para o Uniswap em vez de outras empresas, o que vem ajudando a mantê-lo na liderança.

Mais algumas observações:

  • O lançamento justo do yield farming pode não ser sustentável para o crescimento no longo prazo: nas guerras de protocolos, distribuir a maioria (e às vezes a totalidade) dos tokens diretamente aos usuários do protocolo é o que estimula os ataques. Mas a sustentabilidade no longo prazo exige o alinhamento de incentivos na mesma medida. Depois que seus tokens são distribuídos, como você pode incentivar os desenvolvedores a continuar trabalhando? Será que uma comunidade consegue orientar e navegar por esses protocolos nascentes ao longo do tempo? São perguntas difíceis com muitas respostas possíveis, mas nada está claro atualmente.

  • A governança da comunidade vai ser desafiadora: os projetos descentralizados que usam a governança baseada em tokens são novidades e provavelmente enfrentarão muitos dilemas. Isso é exacerbado nos projetos de guerra de protocolos, que são novos por definição e exigem a formação rápida de uma comunidade para ter sucesso. Por isso, eles têm maior probabilidade de atrair partes interessadas no curto prazo, que não estão pensando em termos mais amplos.

  • Plutocracia ou democracia?: no caso do SushiSwap, há fortes boatos de que um fundo polpudo estaria bastante envolvido, apostando milhões de dólares e obtendo uma alocação de $SUSHI grande o bastante para exercer forte controle sobre o futuro do protocolo. Há muitas implicações nisso tudo, mas esses projetos podem acabar virando plutocracias em vez de democracias.

  • O anonimato tem um lado sombrio: muitos desses projetos têm fundadores anônimos (como "Chef Nomi"), o que pode ser uma coisa boa e ruim ao mesmo tempo. Isso permite que qualquer pessoa do mundo contribua e adquira uma parte de um novo protocolo, mas pode permitir que indivíduos mal-intencionados criem projetos maliciosos, enganando os usuários e roubando todos os fundos por meio de "entradas secretas" escondidas no código.

No fim das contas, será fascinante acompanhar essa nova era. Isso lembra a história dos forks em blockchains, como aconteceu no Bitcoin versus Bitcoin Cash e Ethereum versus Ethereum Classic, só que agora com aplicativos em vez de blockchains. Da mesma forma que os forks, os aplicativos precisam formar uma comunidade, demostrar a superioridade do seu produto e torcer para superar o concorrente original. Tudo isso com rapidez. Mas como vimos nos forks de blockchain, não é possível fazer fork em uma comunidade, nos seus desenvolvedores e na confiança que ela construiu, muito menos em sua marca e mentalidade.

Isso é um bom sinal para o futuro das DeFi. Significa que os fundadores que criarem projetos singulares e trabalharem com afinco para liderar nos quesitos comunidade e força podem conseguir se defender contra ataques nessa guerra de protocolos. Em última análise, é uma questão de estimular as pessoas a criar novos projetos, levando ao progresso das DeFi.